CapaCapa TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros ŕ VendaLivros ŕ Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Asfalto lavado. Faixas que correm, correm ao meu encontro, somente para me verem passar. Meus escuros são destemidos. Não temo por nada, e sigo na estrada. Enquanto uma negra fuligem me abraça, eu me enlaço, atraco-me ao vento, meu duto seguro. Como se fora uma fina lâmina, barreira irreal, estendida à minha frente, eu furo a escuridão da noite, até roubando-lhe alguns segredos escondidos. Apertado e limitado por margens infindáveis, não me sinto tão livre. Mesmo cego, ainda confio, e nem penso em parar. O que não vejo apenas passa. É um mundo veloz, de essência volátil. Aqui, somos tão momentâneos que um simples estalo pode nos desligar. Tento aproveitar o tempo para pensar na vida. De susto em susto, a cada besouro que se espatifa, a cada flash que reflete na pista, alterno meus batimentos. E volto a pensar, trocar ideias com a solidão, passageira que me acompanha. Construo planos, versejo e canto. Enquanto passo a mão no meu bloco de rascunhos, bem do lado, arremesso folhas imaginárias pela janela. Voltem para a escuridão desconhecida, minhas sentinelas de papel, e guardem-me a cada passagem.
Aluísio Azevedo Júnior
Enviado por Aluísio Azevedo Júnior em 13/06/2013
Alterado em 13/06/2013


Comentários